sábado, 6 de setembro de 2008

Lembrança

Desejo reter em minha memória a sua lembrança.
Cada sorriso que iluminava meu olhar.
Cada olhar que preenchia cada vazio de meu coração.
Cada toque que exasperava minha alma
com a suavidade de uma brisa
e as conseqüências devastadoras de um furacão.
Tocar suas mãos...
era ter a segurança do mais corajoso exército,
que também derrocava.
Derrotas que se tornavam vitórias
no aconchego acolhedor de teu abraço,
quando então voltava a ser criança aflita,
até que o beijo comburente de tua boca,
mais uma vez,
resgatasse a mulher em mim.
Nenhum átomo de meu corpo ousava manter-se inerte
a pirotecnia que fazia esplendor em meu ser,
quando nossas luzes coalesciam
e iluminavam, e dilatavam, e estremeciam,
e contraiam e vibravam
cada ínfimo espaço desse infinito universo.
Em meu âmago guardo tua lembrança,
que nunca hei de esquecer!

Nenhum comentário: