quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Secretário municipal de Educação de SP responde à "acusação" de desperdício de dinheiro


Karina Yamamoto Em São Paulo
O secretário municipal da Educação de São Paulo, Alexandre Schneider, publicou, em seu blog nesta quarta (19), uma resposta ao que considerou uma "acusação" de que a prefeitura desperdiça chances de obter verbas federais para a pasta.

O texto começa assim: "Hoje o dia começou com um grande equívoco". O "equívoco" a que o secretário se refere é um texto publicado na última terça-feira (18) pelo jornalista Gilberto Dimenstein, da Folha de S. Paulo. Entitulada "Serra e Kassab desperdiçam dinheiro", a coluna Pensata trazia comentários sobre a baixa participação das escolas paulistas no programa Mais Educação, do MEC (Minstério da Educação).

  • Leia ou ouça a coluna Pensata, de Gilberto Dimenstein

    Para Schneider, a baixa adesão tem um motivo simples. "O programa é ruim", disse ao UOL Educação. Schneider escreveu: "Exige uma burocracia enorme das escolas, não banca os principais custos de um programa desta natureza que é a mão de obra especializada - exigindo que seja voluntária ou que receba um valor ínfimo mensal - e ainda exige um professor 20 horas semanais dedicado exclusivamente ao programa. Desta forma, as escolas não entendem a adesão ao programa como um benefício de fato".

    Mais Educação

    Segundo Dimenstein, Estado e município deixaram escapar uma verba anual de R$ 68 mil, "dinheiro para 107 escolas estaduais e 135 municipais".

    O jornalista escreveu: "A única explicação que consigo imaginar para esse desperdício são as eleições --ou seja, a suspeita de que o ministro Fernando Haddad, paulista, seja candidato para algum cargo eletivo".

    Durante a manhã desta quarta-feira (19), Schneider já havia se manifestado em sua página no Twitter, ferramenta de microblog que permite textos de até 140 caracteres.

    Por volta das 11h, começaram os posts sobre o assunto. Em um dos textos, ele alfineta: "Um conselho ao ministro [Haddad, da Educação]: Faça como o Lula. Não misture política com administração pública. A educação deve estar acima disso".

    O programa

    Criado em 2008, o programa Mais Educação se destina a incentivar educação integral por meio de repasse de verbas às escolas. A iniciativa promove "ações sociais e educacionais em escolas e em outros espaços socioculturais". Os alunos participam de atividades no turno oposto ao das aulas regulares.

    Segundo o MEC, a meta de 2009 é atender 5 mil escolas até o fim do ano. Para participar do programa, a escola deve assinar um termo de adesão, anualmente. Até agora, em torno de 4,3 mil escolas já estão inscritas. A previsão de verba para a iniciativa em 2009 é de, aproximadamente, R$ 250 milhões.


  • BOm, NUnca concordo com o Dimenstein, mas nesse caso ele esta certissimo (só nesse, hehe)... bjks
    Ah!!!!!!! eu ja escrevi aqui, sobre o speedy que o governo Lula conseguiu para as escolas, de graça e mais rápido........................ bom, ja chegou aviso la na nossa que se aparecerem pra instalar não é pra aceitar................... Será q tb é medo? hehe
    bjks

    5 comentários:

    Profa. Silvia disse...

    Oi Dea, gostei muito do post, realmente ter que concordar com o Dimenstein não eh nada facil, mas ele tem razão desta vez... Beijos amiga

    Profa. Silvia disse...

    Oi Dea, gostei muito do post, realmente ter que concordar com o Dimenstein não eh nada facil, mas ele tem razão desta vez... Beijos amiga

    Profa. Silvia disse...

    Oi Dea, gostei muito do post, realmente ter que concordar com o Dimenstein não eh nada facil, mas ele tem razão desta vez... Beijos amiga

    ღ єиєι∂α ღ ●~ઇ‍ઉ~● disse...

    Olá amada, passei aqui para te oferecer o mimo " a dona desse blog é um doce" te espero lá!! beijinhos

    ღ єиєι∂α ღ ●~ઇ‍ઉ~● disse...

    Olá amada, passei aqui para te oferecer o mimo " a dona desse blog é um doce" te espero lá!! beijinhos