quinta-feira, 29 de outubro de 2009

MEC altera data de aplicação da Prova Brasil em São Paulo

Fernanda Calgaro
Clipping Educacional - Do G1, em São Paulo
Segundo Inep, mudança atendeu a um pedido da Secretaria Estadual.São aplicadas provas de matemática e português para a 4ª e 8ª séries.
Estudantes participam da última edição da Prova Brasil (Foto: Júlio César Paes/MEC/Divulgação)
A Prova Brasil, que avalia estudantes da 4ª e da 8ª séries do ensino fundamental das redes públicas, será aplicada em datas diferentes em São Paulo do que no restante do país. Segundo o Ministério da Educação, a mudança foi feita a pedido da Secretaria Estadual de Educação.
O exame, que testa conhecimentos em matemática e português, será aplicado entre os dias 9 e 27 de novembro. No caso de São Paulo, os estudantes da rede estadual farão as provas entre 30 de novembro e 4 de dezembro.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pela realização do exame, informou, em nota, que, “por questões logísticas, a data de aplicação nas redes municipais em todo o estado de São Paulo também será alterada, para que coincida com a aplicação da rede estadual”.
Se a mudança atrapalhar alguma rede municipal, o Inep disse que vai estudar caso a caso uma forma de fazer o ajuste para que os alunos possam fazer o exame.
Procurada pela reportagem na noite desta quarta, a assessoria de imprensa da secretaria estadual não confirmou a mudança.
Na sua página no Twitter, o secretário municipal de São Paulo, Alexandre Schneider, postou: “A Prova Brasil foi adiada mais uma vez e cairá no fim de novembro, início de dezembro. Não é uma data favorável.” Segundo a secretaria, o motivo por não ser "favorável" é que, nesta época, quando as aulas já estão no final, os alunos ficam mais desmotivados.
A Prova Brasil é aplicada por amostragem e todos os alunos selecionados são obrigados a fazê-la, segundo o MEC.
Índice de desenvolvimento
Criada em 2005, a Prova Brasil será realizada pela terceira vez neste ano. Ela serve para definir o índice de desenvolvimento da educação básica (Ideb) por escola, por município, por estado e nacional.
Em 2005, a média nacional do Ideb foi de 3,8 pontos, numa escala até dez. Em 2007, subiu para 4,2 pontos. A meta do Brasil é alcançar seis pontos em 2022, índice equivalente ao de países desenvolvidos. Pela primeira vez, participarão estudantes das escolas rurais do ensino fundamental, além das urbanas. Segundo o último censo escolar, 5,5 milhões de estudantes devem fazer a prova — 2,88 milhões da quarta série e 2,63 milhões da oitava. Esses alunos estudam em 57.552 escolas públicas, das quais 46.972 estão na área urbana e 10.580 no campo. São avaliados os conhecimentos em língua portuguesa e matemática. Para a quarta série, são 22 questões de cada disciplina, divididas em blocos de 11 perguntas; para a oitava série, 26 questões por disciplina, em blocos de 13 arguições. O tempo para responder a cada bloco é de 25 minutos para ambas as séries. O dia em que cada escola vai realizar os testes depende de agendamento. A aplicação não tem a participação dos professores. A prova, elaborada pelo Inep, é aplicada e corrigida pelo consórcio Consulplan-Avalia. Cerca de 14 mil pessoas vão trabalhar nessas duas fases do exame.
Fonte: http://g1.globo.com/

Nenhum comentário: