segunda-feira, 3 de maio de 2010

Mãe de aluno ajuda filho a bater na professora; leia relatos sobre violência escolar

03/05/2010 - 08h50

Cristiane Ribeiro Da Agência BrasilNo Rio de Janeiro
Depois de uma briga no pátio da escola, em Vila Isabel, na zona norte do Rio de Janeiro, a diretora chama as mães dos alunos envolvidos para conversar e um deles parte para cima dela com socos. Quebra as janelas da escola e a mãe ajuda, gritando palavrões e depois arrancando a fiação do telefone da secretaria da escola para impedir que a polícia fosse chamada. Na delegacia, a diretora contou apenas que foi xingada.
Outra escola, no bairro do Rocha, também na zona norte, foi apedrejada por alunos insatisfeitos com as normas disciplinares e estudantes ficaram sem aulas por alguns dias em um protesto dos professores contra a falta de segurança para trabalhar.
Esses dois casos tornaram-se públicos há pouco mais de um mês, mas somam-se a outros que não são divulgados na imprensa ou que ficam apenas nos registros das escolas diante das ameaças feitas pelos estudantes protagonistas da violência.
Leia alguns relatos sobre casos de violência em escolas:
“Fui firme numa atitude disciplinadora, contrariando os atos de um aluno e, após o término das aulas, encontrei meu carro pichado, com inscrições que faziam alusão a uma facção criminosa e com a frase “vai morrer”, além de palavras obscenas. O caso foi discutido com a direção da escola que tomou as providências internas junto com a Guarda Municipal”, relatou o professor de uma escola em Campo Grande, na zona oeste, membro do Conselho Escola Comunidade. Ele disse que mesmo assim está inseguro para trabalhar, pois o aluno continua frequentando as aulas. O conselho ajuda a direção da escola a tomar decisões.
Também em Campo Grande, uma diretora foi mais longe. Chamou os pais do aluno rebelde, de 18 anos, e o encaminhou à delegacia do bairro para registrar a ocorrência de desacato. Para não ser transferido da escola, o aluno teve que se retratar com os colegas, o professor e a própria diretora.
Em Ramos, na zona norte, a professora de um Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) acabou pedindo transferência para outra unidade depois de ouvir palavrões de um aluno que ela colocou para fora de sala por indisciplina. “Antes da transferência passei muito mal, com crises nervosas. Fiquei tão descontrolada que brigava com meus filhos e com meu marido por nada. A direção da escola disse que encaminhou o caso para a Coordenadoria Regional de Educação [CRE], mas nunca fui chamada para prestar esclarecimentos e o aluno continua na escola, como se nada tivesse acontecido.”
O estudante Willian de Andrade, de 18 anos, ex-aluno da rede, contou ter presenciado vários casos em que seus colegas desacatavam professores e até chamavam para brigar fora da escola. Segundo ele, em nenhum desses casos seus colegas tinham envolvimento com o tráfico de drogas. “Vi muita coisa, mas sempre fiquei calado, com medo de apanhar dos colegas. Já os professores os encaminhavam para a secretaria, mas depois eles voltavam a agir da mesma forma.”
Para a coordenadora do Sindicato Estadual dos Profissionais de Ensino (Sepe), Edna Félix, esses relatos comprovam a veracidade de um dossiê feito pela entidade em 2007 e que vem sendo atualizado a cada ano. O documento, segundo ela, já foi encaminhado ao Ministério Público pedindo providências.
“Os casos divulgados na mídia são novos, mas outros tantos não vieram a público. Já procuramos o Ministério Público, a Câmara de Vereadores e a OAB [Ordem dos Advogados do Brasil] para tentar ajuda na cobrança do governo quanto às medidas que garantam a segurança das pessoas”, disse a professora, destacando que essas entidades responderam às solicitações e informaram que estão estudando formas de interpelar a Secretaria Municipal de Educação.


Ps.: Estive nestes ultimos dias 28, 29 e 30 de abril  (como todos já sabem), participando da Interdidatica e um dos assuntos foi a participação da familia na educação. Segundo o Prof. Mozart (também já mencionado), os pais tem 80% re responsabilidade na educação dos filhos e cabe aos professores os outros 20%.
Se observarmos esta situação, de pais que acabam batendo, ou xingando ou qualquer outra coisa os professores, quando deveriam era cuidar melhor de seus filhos, podemos observar que a grande culpa (se estivermos procurando culpados) são dos pais.
Penso que o ECA acabou por tirar um pouco da autonomia dos pais e aqueles que já não tinham vontade de se-lo, aproveitaram e deixaram a deriva.
Outro dia onde trabalho, no periodo da tarde, houve do lado de fora da escola uma briga de meninas e as mães foram chamadas, e somente se limitaram a brigarem também entre si. E não foi bate boca não, foi chute, ponta pé e etc.....
Eu, este ano adotei o seguinte pensamento: Advertencia verbal 2 vezes, escrita 3 vezes e conversa com os pais, depois.... Conselho Tutelar. A escola tem que aprender a passar a responsabilidade desses filhos para os pais. Eles devem responder a justiça. Muitos alegam não ter tempo. Não educam. Não colocam limites e querem que o mundo o faça? Pois bem, agora eles que respondam. Eu, faço a minha parte. e bem feita.
Aproveitando (as vezes parece que ninguem lê - se lerem deixem comentarios que fico muito feliz), em relação ao Congresso, as melhores palestras foram do Prof  Mozart e da Profª Claudia.
Gente, que cadeiras horriveis são aquelas do centro de convenções??? Você aguenta uns 20 minutos, mas passar o dia todo lá era um desespero. Tava todo mundo a base de analgesicos e remedios para dor.
Resumindo, entre mortos e feridos, todos se salvaram......... hehe, teve muita coisa boa, sim.... Conheci a página TODOS PELA EDUCAÇÃO que é excelente, otimos textos, entrevistas, videos.....
Ah! algum partido deveria entrar na justiça contra a campanha antecipada do PSDB, porque só ouvindo e vendo pra entender o recado (todo mundo que tava lá, hehe).
Continuo agradecendo o carinho...



Ah!!! Ouvi lá que já há escolas do ABC que estão com epidemia de gripe, portanto, cuidados redombrados.....


Nenhum comentário: