quarta-feira, 23 de junho de 2010

Filhos da progressão continuada

Esta noite, após mais uma HTPC de pedidos, e de observar que havia falado grego, fui conversar com minha sábia e filosofa vice-diretora (o que é muito difícil de encontrar). Comentei da minha angustia ao ver alunos entrando e saindo sem autorização do professor por este se quer tomar ciência do fato. Comentei com ela, que ano passado esta em uma escola onde o corredor era mais cheio que as salas de aula, os palavrões e funks ecoavam por suas paredes e muitas vezes eu me refugiava na sala de porta fechada pra tentar continuar meu trabalho. Sempre fui durona (mas sem perder a ternura), gosto das coisas certas, nas horas certas...........
Somente me sentia professora quando ia para a outra escola, onde os alunos eram educados, disciplinados, criativos, ordeiros, jovens na medida certa. Sabiam diferenciar os horários............ Quando assumi a coordenação, por varias vezes eu subia no corredor superior e ficava olhando para o seu vazio..... as salas cheias, as aulas acontecendo........ os alunos participando........ projetos........... risos depois da explicação de algo engraçado.............
Esta noite fui ao mesmo corredor e não o reconheci........... minha sábia "chefa" me disse que estes são os filhos da progressão continuada (os professores)....... que eu poderia esperar dali para pior........
Pedi a difícil tarefa de dizer não ao aluno que acabou de sair do banheiro, mas pede para ir novamente, e o faz em todas as aulas......... dei o nome dos indivíduos e foi o mesmo que nada........... Pedimos que em alguns horários não haja tão livre acesso aos sanitários, até porque uma pessoa normal (segundo o que pesquisei) leva de três a quatro horas pra produzir xixi........... mas isto é uma missão impossível para alguns professores.......... Pedir pra desligar o celular é o mesmo que querer que o colega se torne um homem bomba e os colegas que querem verdadeiramente trabalhar, são obrigados a ouvir aqueles ruídos cariocas, em alto e bom tom........... Pedir pras alunas pararem de se maquiar na sua aula e não sujassem as cadeiras porque suja a roupa dos colegas.................... Mas mais importante que isso, é ser legal com o aluno.......... não importa se o profissional não exista......... não importa se ele não sabe nada da sua matéria ou da matéria que se esta eventuando, mas o importante é ser “suave” com o pessoal a sua volta...................... o importante pra alguns é o salário no fim do mês e quanto mais gente analfabeta funcional, pra ele melhor..................
Este ano recebemos vários professores novos, que colocaram (ou não) o X no lugar certo na prova de temporários e que acabaram "passando" na frente dos professores mais calejados (ano passado só haviam os calejados). Filhos do "passa sem aprender", "passa sem precisar saber", "passa por estar presente", "passa porque a mãe veio aqui e fez um escândalo", "finge que aprende que eu finjo que te ensino"........... São esses, queridos amigos, os novos professores que estão pipocando aí......... muitas vezes vindos de Universidades onde basta esquecer o RG em algum lugar e pagar as mensalidades, que ao final de três anos o diploma vem com seu nome......... É claro que há exceções, ótimas por sinal, mas o que esperaremos são professores de português que escrevem FASSO e ainda se dão o direito de exigir os melhores horários............ Usando a política do "não pode vencê-los, junte-se a eles"............... Excelentes professores ficaram sem aulas, ou com aulas em muitas escolas............. a falta de profissionais da educação vai acabar por exterminar o resto de dignidade que a escola paulista ainda tem.............
Este é o panorama que encontramos e encontraremos em nossas escolas............... fruto da política educacional vergonhosa implantada pelo PSDB em nosso Estado. Sei que até fui dura nas palavras, mas é o que sinto e sempre tenho o hábito de externar meus sentimentos.................... e sei que muitos dos que estão lendo aqui também concordarão.............. SALVEMOS A ESCOLA PÚBLICA!

Que saudade da geração Coca-cola do Renato.........................

2 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, que desabafo. Outra coisa que acho interessante, são projetos que disseminem a "não discriminação racial", pois o que mais estou me deparando são os próprios profissionais da educação julgando outros pela sua cor, origem ou etnia. Também estou cansada de tanta tolice. Na atribuição tem diretor escondendo aula pra outras pessoas pegarem, apesar q sempre existiu, sem contar nas antigas falsificações de anexos...rsrs, então é difícil dizer quem é mais profissional ou não. Se são os novos? os antigos? os recém-formados? tem gente antiga se sobrepondo as pessoas por uma determinada pontuação quantitativa, sem o teor qualitativo. A relação é complexa e a educação flexível, mas não podemos perder a capacidade de nos indignar.

Anônimo disse...

OLha eu concordo com tudo que disse mas estes alunos estão sem noção ,eu que também sou professora e tenho um filho sei a luta que dar limites a essa juventude que só se adianta para as coisas erradas.Na escola vejo muito mais dificuldades de lidar com os limites do q com meu filho em casa mas creio q n é só porque ele é único não é porque eu dou educação muitos pais estão atribuindo este papel para a escola e nós com salas super lotadas temos o dever de apenas ensinar e interagir com eles...Márcia Barguena abraços.