quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Temporários chegam a 46% dos professores em São Paulo

Matéria publicada no jornal Folha de São Paulo, de 14/09/10


Meta do governo Serra era que índice caísse para 10% até 2013, mas taxa cresceu
Para pesquisadores, isso tem impacto direto na qualidade do ensino, já que temporários não se fixam nas escolas
FÁBIO TAKAHASHI
DE SÃO PAULO

O número de professores temporários na rede estadual de São Paulo chegou neste ano a 46% do total, a maior proporção desde 2005.
No ano passado, o então governo de José Serra (PSDB), hoje candidato à Presidência, anunciou como meta diminuir a taxa para 10% em quatro anos. Àquela época, o número era 42,4%.
Os dados são da própria Secretaria da Educação. Em números absolutos, são hoje 101 mil não efetivos. Um concurso público com 10 mil vagas foi feito em março, mas os aprovados só começarão a trabalhar no ano que vem.
Pesquisadores afirmam que o contingente de temporários tem impacto direto na qualidade de ensino, uma vez que eles tendem a ter uma rotatividade maior nos colégios -os temporários só podem escolher suas escolas depois que todos os concursados já fizeram suas opções.
Os 46% de não efetivos em SP são mais que o dobro da média nacional e superior à Prefeitura de SP (7%). "A dificuldade quando se troca de escola é que os alunos não conhecem meu jeito e ritmo e eu também não conheço o deles. Essa fase leva tempo", diz o professor temporário de ciências Vinicius Vasconsellos, 24, que, em seis anos de rede estadual, já lecionou em nove escolas.
A Secretaria da Educação diz que trabalha para diminuir o número de não efetivos -fez dois concursos desde 2007-, mas que, "apesar dos esforços, ainda ocorrem saídas de efetivos [licenças e afastamentos], que são repostas com os temporários".

FALTA DE INVESTIMENTO
Educadores ouvidos pela Folha afirmam que o Estado já poderia ter diminuído o contingente de temporários. "Com um mínimo de planejamento, você sabe quantos professores vão se aposentar ou sair da rede e pode planejar concursos", diz Ocimar Alavarse, pesquisador da Faculdade de Educação da USP e ex-membro da Secretaria da Educação na gestão Gilberto Kassab (DEM) na prefeitura da capital.
Para Alavarse, há a possibilidade de o Estado não acelerar os concursos porque conta com a continuidade da transferência de parte da rede a municípios. "Mas o processo é lento e não há garantias de que vá se efetivar."
Para o presidente da Udemo (entidade que representa os diretores de escolas), Luiz Gonzaga Pinto, "o Estado só quer saber de economizar".
Segundo ele, o temporário custa 15% a menos, por não ter alguns benefícios.
Colaborou RAPHAEL MARCHIORI 

OUTRO LADO

Percentual já foi maior, diz secretaria

Segundo a pasta, em 1996 os professores temporários eram 68%, e a meta é reduzir "ao máximo" o atual nível
DE SÃO PAULO
A Secretaria da Educação de SP diz que hoje há menos temporários que no passado e que trabalha para reduzir a proporção ainda mais.
Em 1996, aponta o governo Alberto Goldman (PSDB), 68% dos docentes eram temporários; hoje são 46%.
"Nossa meta é reduzir, ao máximo, esse patamar. Prova disso foi a realização de um concurso público em março para provimento de 10 mil cargos efetivos", afirma a nota da secretaria.
Os aprovados passam por curso de formação. Os que obtiverem o desempenho mínimo deverão começar a trabalhar no ano que vem. "São Paulo passa a ter professores mais preparados e com melhor qualificação em sala de aula", diz a pasta.
A secretaria afirma na nota que, "mesmo com os concursos, os não efetivos são necessários para as substituições dos impedimentos dos docentes, por motivo de licenças ou afastamentos".


AVALIAÇÕES
Questionada sobre o atual contingente de temporários, a pasta diz que não o considera adequado, "por isso vem realizando concursos ao longo dos anos".
A secretaria afirma também que todos os docentes, inclusive os temporários, recebem capacitação. Sobre a qualidade do ensino, a secretaria diz que "avaliações nacionais e estadual indicam melhora do ensino da rede estadual paulista".
Um dos exemplos citados é o do Idesp, indicador estadual que considera taxas de reprovação e o desempenho dos alunos em provas.
Desde 2007, a média dos alunos da 4ª série subiu de 3,23 para 3,86, "o que significa maior proporção de alunos com níveis adequados de desempenho". (FT)

ENTREVISTA

Não há estabilidade para escola, afirma pesquisadora
DE SÃO PAULO
Doutora em educação pela Universidade Harvard (EUA), Paula Louzano afirma que o maior problema da presença de temporários na rede é a mudança desses docentes entre as escolas.
"É como se, todo ano, a escola tivesse de planejar de novo o trabalho", diz Louzano, pesquisadora da Fundação Lemann. (FT)
Folha - Qual o problema de haver muitos temporários?
Paula Louzano -
 Não há estabilidade para as escolas. É como se, todo ano, a escola tivesse de planejar de novo o trabalho.
O problema é que, atualmente, nem o concurso público é garantia de melhoria na rede. Como a atratividade para a carreira é baixa, a maioria das pessoas que procuram o magistério não têm um bom preparo.

Como resolver isso?
É preciso melhorar as condições de trabalho e o salário inicial, para atrair jovens mais bem preparados.
O governo já melhorou um pouco a situação, criando uma prova que pode dar aumento aos mais bem classificados.
Mas não é tudo.
Primeiro porque não há garantia que os próximos governos continuarão a política. Também é importante ter salário inicial atraente, que não ocorre hoje.
Além disso, com uma carreira melhor, podem diminuir os afastamentos e a necessidade de temporários.

ENTREVISTA
Não há estabilidade para escola, afirma pesquisadora
Doutora em educação pela Universidade Harvard (EUA), Paula Louzano afirma que o maior problema da presença de temporários na rede é a mudança desses docentes entre as escolas.
"É como se, todo ano, a escola tivesse de planejar de novo o trabalho", diz Louzano, pesquisadora da Fundação Lemann. (FT)
Folha - Qual o problema de haver muitos temporários?
Paula Louzano -
 Não há estabilidade para as escolas. É como se, todo ano, a escola tivesse de planejar de novo o trabalho.
O problema é que, atualmente, nem o concurso público é garantia de melhoria na rede. Como a atratividade para a carreira é baixa, a maioria das pessoas que procuram o magistério não têm um bom preparo.

Como resolver isso?
É preciso melhorar as condições de trabalho e o salário inicial, para atrair jovens mais bem preparados.
O governo já melhorou um pouco a situação, criando uma prova que pode dar aumento aos mais bem classificados.
Mas não é tudo.
Primeiro porque não há garantia que os próximos governos continuarão a política. Também é importante ter salário inicial atraente, que não ocorre hoje.
Além disso, com uma carreira melhor, podem diminuir os afastamentos e a necessidade de temporários.

Nenhum comentário: