domingo, 22 de julho de 2012

O que é necessário para ser verdadeiramente amigo?

Ola!
Ando muito reflexiva ultimamente, é a idade......
Me coloquei a pensar sobre a amizade, já que nestes dias comemoramos o tal dia da amizade. Muitos inclusive confundem a data e as palavras amigo/amizade.
A amizade é algo mais light, que você pode ter muitas, mas amigo.... amigo é aquele irmão que você escolhe.
Comecei a analisar minhas amizades e amigos (ou amigo), nestes quarenta anos de vida....
Sou uma pessoa muito observadora. Daquelas que chegam nos lugares, encontram um canto e lá observam o terreno para "agir". Também faço isso em "terrenos conhecidos", mas analiso a (se assim se pode dizer) "qualidade" das amizades....
Observo os grupos, as pessoas, os indivíduos.....
Comecei a questiona a qualidade da minha amizade, por fim, na ultima atividade em que estive e descobri que o tipo de amigo que sou não está muito em voga. É um tipo útil, para alguns momentos, mas para o dia a dia, não tem valor algum.
Sou daquele amigo que ama, que se dedica, que sofre junto (ou até mais), que não tem hora, que é verdadeiro, que embarca nos devaneios, acoberta os maiores crimes/pecados... que ouve em silencio e que muitas vezes só observa e muito antes de ser confidenciado, já sabe o teor das confissões. que chega cedo para organizar a festa e fica depois para limpar a bagunça..... daquele tipo, que daria a vida pelo amigo, se preciso fosse ou se pelo menos ele a pedisse......
Sempre gostei da sinceridade, mesmo que esta doa. Sempre achei que a justiça (o ser justo) era importante. Sempre olhei a necessidade do outro, muitas vezes renegando possibilidades a mim, para que o outro, fosse qual a impossibilidade que tivesse, pudesse aproveitar determinadas oportunidades....
Dentro dessas observações, voltei a observar uma figura que há mais de 15 anos observo. Falsa. Fofoqueira. Intrigueira. Durante anos, a vi cometendo os mais sérios assassinatos com as amizades alheias. Já a vi desmanchar namoros, casamentos, amizades de boa data, grupos de dança, de musica, etc... Sempre astuta e nos lugares corretos para ouvir conversas particulares e depois libera-las a frente de um ventilador com uma certa extensão inverídica por ela contada junto.... mas o que mais me indignou (e a anos, assim continuo, indignada) é como as pessoas a querem bem... perdoam seus "erros", fazem questão dela em suas atividades... em suas vidas.....
Engraçado é como ela cabe na vida das pessoas, mesmo com elas sabendo que um dia (ou sempre) ela estará arruinando algo em suas vidas...
Bom, comecei a analisar a amizade então. Primeiro constatei que não tenho amigos, pois para mim, para ser um amigo de verdade, deve-se ter (e, principalmente ser) da maneira com que eu mesma me vejo sendo amiga. E depois, constatei que também não sirvo para ter amizades, pois não me encaixo nos "valores" que hoje são necessários para ser querida e "bem vinda" nos meios sociais.
Durante muito tempo eu fui útil a muita gente. Pelas qualidades e virtudes que tenho, mas a amizade é muito mais que ser útil, é ser importante, é fazer falta, é estar em um lugar e querer que aquela outra pessoa também ali esteja..........
Tenho pena das amizades de hoje................

Nenhum comentário: